Ano de escolaridade:
11.º ano
Disciplina/área curricular:
Economia
 
Domínio/Tema:

A intervenção do Estado na economia: indicadores de desigualdade na distribuição dos rendimentos e a equidade

Prova/Ano escolar:
Exame Final Nacional de Economia A (712) – 1.ª Fase de 2020
Palavras-chave:
prestações sociais; taxa de risco de pobreza antes de qualquer transferência social; taxa de risco de pobreza após transferências sociais; indicador S80/S20; equidade
 

Apresentação do Item (Clique aqui para aceder à prova em PDF):

1. O texto refere-se a alguns dos indicadores económicos utilizados no estudo da comparação dos padrões de vida (ou níveis de bem-estar) entre países. A Tabela 8 refere-se às prestações sociais e indicadores de desigualdade na distribuição (ou repartição) do rendimento, em Portugal, em 2008 e em 2009.

 

As comparações dos padrões de vida (ou dos níveis de bem-estar) entre países são geralmente feitas com base no rendimento por habitante. Este indicador traduz, em termos monetários, a riqueza por habitante de um país, permitindo estabelecer comparações com outros países. Contudo, este indicador pouco diz acerca da distribuição (ou repartição) do rendimento dentro de um mesmo país. A taxa de risco de pobreza e o S80/S20 são indicadores que permitem caracterizar melhor a desigualdade na distribuição (ou repartição) do rendimento entre grupos que constituem a sociedade.

Eurostat, Estatísticas sobre pobreza monetária, in https://ec.europa.eu/eurostat/statisticsexplained

(consultado em setembro de 2019). (Texto adaptado)

 

Tabela 8 ‒ Prestações sociais, taxa de risco de pobreza e S80/S20

1 Percentagem da população cujo rendimento equivalente se encontra abaixo do limiar de pobreza, definido como 60% do rendimento mediano por adulto equivalente.

2 Quociente entre o rendimento total dos 20% da população com maiores rendimentos e o rendimento total dos 20% da população com menores rendimentos.

Pordata, in www.pordata.pt (consultado em janeiro de 2020). (Adaptado)

 

1.1. Explicite, com base nos dados fornecidos, e considerando-se tudo o resto constante, o papel do Estado na promoção da equidade em Portugal, em 2009, face a 2008, considerando:

‒ a evolução da taxa de risco de pobreza antes de qualquer transferência social e o efeito das prestações sociais na evolução da taxa de risco de pobreza após transferências sociais;

‒ o efeito da evolução das prestações sociais na evolução do indicador S80/S20.

 

 

Características do Item
Tipologia:
Item de construção
Formato:
Resposta restrita
Tipo de suportes:
Texto e tabela
Nível de complexidade cognitiva:
Nível 3 (superior) – Análise; síntese
 
Dados estatísticos
        Percentagem de acerto:
57,6%
        Grau de dificuldade:
 
Médio
 
Objetivos do item: o que se pretende avaliar e sua relação com as AE e o PA

Explicar o papel do Estado na promoção da equidade em Portugal.

Aprendizagens Essenciais (10.º e 11.ºanos, respetivamente, p.11 e p.10) - Justificar a intervenção do Estado na atividade económica (promover (…) a equidade); Explicitar, recorrendo a diferentes indicadores (limiar de pobreza e risco de pobreza antes e após transferências sociais, rácio S80/S20 e S90/S10, índice de Gini, curva de Lorenz, rendimento nacional per capita), desigualdades da distribuição pessoal dos rendimentos (…).

 

Áreas de Competência do Perfil do Aluno:  

-  Linguagem e textos - «As competências associadas a Linguagens e textos implicam que os alunos sejam capazes de dominar capacidades nucleares de compreensão e de expressão nas modalidades (…), escrita, (…)»;

-  Saber científico, técnico e tecnológico - «As competências associadas a Saber científico, técnico e tecnológico implicam que os alunos sejam capazes de (…) utilizar. transformar e criar produtos (…)»;

- Raciocínio e resolução de problemas - As competências associadas a Raciocínio e resolução de problemas implicam que os alunos sejam capazes de:

  • interpretar informação (…);
  • desenvolver processos conducentes à construção de produtos e de conhecimento, usando recursos diversificados». 

 

 

Critérios de classificação (Clique aqui para aceder aos critérios de classificação em PDF):

Os critérios de classificação apresentam-se organizados por parâmetros. Cada parâmetro encontra-se organizado por níveis de desempenho. A atribuição da classificação de zero pontos simultaneamente nos parâmetros (A) e (B) implica a atribuição da classificação de zero pontos no parâmetro (C). A classificação a atribuir à resposta resulta da soma das pontuações atribuídas aos diferentes parâmetros.

A classificação das respostas que envolvam a produção de um texto tem em conta os tópicos de resposta apresentados, a utilização da terminologia específica da disciplina, a integração da informação contida nos documentos e a correção da comunicação em língua portuguesa.

 

Tópicos de resposta

Explicitação do papel do Estado na promoção da equidade em Portugal, referindo:

  • o aumento da taxa de risco de pobreza antes de qualquer transferência social e o contributo do aumento das prestações sociais para a manutenção da taxa de risco de pobreza após transferências sociais;
  • o aumento das prestações sociais do Estado e o seu contributo para a redução do valor do indicador S80/S20 (ou para a redução da desigualdade na distribuição/repartição do rendimento).

 

Aspetos a observar em cada parâmetro

 

Leitura de dados:

  • aumento das prestações sociais do Estado;
  • manutenção da taxa de risco de pobreza após transferências sociais;
  • aumento da taxa de risco de pobreza antes de qualquer transferência social;
  • redução do indicador S80/S20 ou da desigualdade na distribuição/repartição do rendimento.

 

Análise e síntese:

  • o efeito das prestações sociais na evolução da taxa de risco de pobreza após transferências sociais;
  • o efeito das prestações sociais na evolução do indicador S80/S20.

 

Terminologia e comunicação:

  • utilização adequada dos termos: prestações sociais, taxa de risco de pobreza antes de qualquer transferência social, taxa de risco de pobreza após transferências sociais e indicador S80/S20 (ou desigualdade na distribuição/repartição do rendimento);
  • clareza do discurso.

   

 
Exemplos de didáticas e situações de aprendizagem a que os alunos poderiam ser sujeitos para responder corretamente ao item:

 

A sequência que se apresenta procura ilustrar um percurso possível de utilização da informação contida de forma explícita e implícita nos documentos. Para realizar esta atividade pressupõe-se que os alunos conheçam os indicadores de desigualdade da distribuição pessoal dos rendimentos e o papel do Estado na promoção da equidade.

Exemplo de atividade

A. Pré-requisitos

  • Leitura dos indicadores de desigualdade da distribuição pessoal dos rendimentos.
  • Explicitar/Relembrar os conceitos de equidade e o papel do Estado na promoção da equidade.

B. Linguagem e textos

  • Leitura de dados estatísticos.
  • Construir a resposta, utilizando com rigor a terminologia e os conhecimentos.

C. Saber científico, técnico e tecnológico.

  • Esquematizar a relação entre os indicadores.
  • Construir a resposta, estabelecendo a relação entre os indicadores.
  • Rever a resposta, identificando eventuais falhas.
  • Construir estratégias para evitar essas falhas.

D. Raciocínio e resolução de problemas

  • Retirar conclusões pertinentes a partir da leitura de dados estatísticos.
  • Problematizar aspetos da realidade económica portuguesa.

 

Baseado em:

    Aprendizagens Essenciais – 10.º e 11.º anos - Economia A

    Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória


* Complexidade não é sinónimo de Dificuldade.
A complexidade tem a ver com o processo cognitivo que é requerido para a realização da tarefa ou do item de avaliação. É definida antes e durante o processo de construção da tarefa ou do item.
A dificuldade pode e deve ser estimada, mas só é possível determinar com exatidão depois da aplicação do instrumento/tarefa, através dos resultados obtidos.